terça-feira, 1 de setembro de 2015

Gilmar Mendes extrapola e mostra parcialidade contra Governo e o PT; Deputado defende afastamento dele de julgamentos

 

PTeixeira WadihD

A cena protagonizada pelo ministro Gilmar Mendes, no último fim de semana, extrapolou o limite do respeito que se recomenda aos integrantes dos poderes constituídos. Essa é a avaliação de parlamentares do PT que classificaram de “inadequadas” e “inaceitáveis” as declarações do ministro de quem se espera, no mínimo, isenção. Para os petistas, as manifestações do ministro que ocupa as cadeiras no Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ao Correio Braziliense, revelam o viés político-partidário que deveria o impossibilitar de julgar qualquer processo que envolva o governo e o Partido dos Trabalhadores.

“Foi totalmente inadequado o pronunciamento do ministro Gilmar Mendes. Ele, no exercício dos cargos de ministro do STF e TSE e, portanto, nos casos relacionados ao governo e ao PT, deveria ficar impedido de julgar, uma vez que mostra parcialidade na forma de ver as coisas e esta parcialidade ele está exercendo nesses julgamentos”, condenou o deputado Paulo Teixeira (PT-SP), vice-líder do Governo na Câmara.

O parlamentar se referiu ao fato de o ministro Gilmar Mendes ser o relator da prestação de contas da campanha da presidenta Dilma Rousseff. As contas já foram julgadas e aprovadas com ressalvas, por unanimidade, pelo TSE em dezembro do ano passado. No entanto, o ministro manteve o processo aberto na tentativa de fazer ligação entre a campanha da presidenta Dilma e irregularidades verificadas pela Operação Lava Jato.

Para o deputado, não cabe a integrantes do STF ou do TSE fazerem juízo de valor de um governo. De acordo com Paulo Teixeira, Gilmar Mendes agiu de forma acintosa ao dizer que a corrupção no país é um método de governança. “Acho um acinte inaceitável”, criticou Paulo Teixeira.

PGR - Na semana passada, o ministro Gilmar Mendes levou um puxão de orelhas do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. No despacho, o procurador determinou o arquivamento do pedido de Gilmar Mendes para a PGR investigar suspeitas de irregularidades na campanha eleitoral da presidente Dilma Rousseff. Janot entendeu que não havia indícios de irregularidades na contratação de uma gráfica – a VTPB Serviços Gráficos – pela campanha.

“Cabe ressaltar o zelo de Sua Excelência, Min. Gilmar Mendes, ao remeter a essa Procuradoria notícias que poderiam, em tese, justificar a adoção de providências ministeriais. E é, em homenagem a sua Excelência, portanto, que aduzimos outro fundamento para o arquivamento ora promovido: a inconveniência de serem, Justiça Eleitoral e Ministério Público, protagonistas – exagerados – do espetáculo da democracia, para os quais a Constituição trouxe, como atores principais, os candidatos e os eleitores”, asseverou o despacho de Rodrigo Janot.

Sobre o protagonismo exagerado de setores do Poder Judiciário, o deputado, ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RJ), Wadih Damous (PT-RJ), em entrevista concedida à Fundação Perseu Abramo (FPA) criticou a “espetacularização da Justiça”.

“É preciso uma profunda reflexão sobre o papel do Poder Judiciário e do Ministério Público como protagonistas hoje da cena política. É papel do Ministério Público e do Judiciário serem protagonistas da cena política?”, questionou Damous.

“Eu entendo que o poder judiciário é o poder que julga e o Ministério Público é o órgão que denuncia. O que vem acontecendo nos últimos anos, por uma série de fatores históricos e políticos, é um protagonismo indesejável por parte dos juízes e de membros do Ministério Público no cenário político. Isso tem um viés autoritário. Nós percebemos hoje um processo que chamamos de espetacularização da Justiça, em que o que vale é a versão, o que vale é a manchete, o que vale é o noticiário”, condenou o deputado.

Benildes Rodrigues

Foto: Salu Parente

http://ptnacamara.org.br/index.php/inicio/noticias/item/24217-gilmar-mendes-extrapola-e-mostra-parcialidade-contra-governo-e-o-pt-deputados-defendem-afastamento-dele-de-julgamentos

CURSO DE AVICULTURA NA COMUNIDADE DE LAGOA DO MATO

 

clip_image002 clip_image004

Cruz. A Prefeitura Municipal de Cruz, através da Secretária de Agricultura, na pessoa do Secretário Carlos Cesar de Carvalho (Carlão), em parceria com a Associação de Desenvolvimento Comunitário de Lagoa do Mato – ADECLAM, e o SENAR realizaram um Curso de Avicultura Básica destinado a atender uma demanda de 20 pessoas que foram capacitadas para implementarem a criação de galinha caipira visando a complementação da renda das famílias rurais que praticam a Agricultura Familiar.

clip_image006clip_image008

O curso foi ministrado pelo Instrutor Sérgio Henrique que, com muita habilidade e reponsabilidade técnica e profissional, desenvolveu atividades teóricas e práticas, de 25 a 28 de agosto, com carga horária de 32 horas/aula. Os cursistas tinham direito a almoço e merenda no local do curso. Além das aulas teóricas e práticas, foi construído um pequeno aviário modelo com cama de raspa de madeira, onde foram colocados 25 pintos com comedouro, bebedouro e campânula para aquecimento dos pintinhos.

clip_image010clip_image012

O encerramento aconteceu sexta-feira e contou com a presença do Secretário de Agricultura Carlos César, o Técnico da EMATERCE Flavinho, o Engenheiro Agrônomo Dr. Lima, o Presidente do Sindicato dos Servidores Municipais Professor Henrique e o representante do SENAR Emerson.

clip_image014

O Secretário Carlão ressaltou a importância do curso para complementação de renda das famílias e o Dr. Lima citou o apoio que o Prefeito Adauto vem dando aos Agricultores Familiares do município, algo nunca acontecido, antes, no município de Cruz. O Presidente da Associação ADECLAM Everardo Paiva falou em nome dos cursistas e agradeceu todo o apoio recebido das instituições para que este curso pudesse ter acontecido.

clip_image016clip_image018

Os cursistas avaliaram o curso como sendo de fundamental importância para a melhoria da renda destas famílias e asseveraram ter aprendido técnicas inovadoras para a criação de aves na comunidade

. clip_image020

Lagoa do Mato

Sendo a comunidade de Lago do Mato próxima à Rota das Emoções, dispõe de um grande centro consumidor de galinha para a bastecer as pousadas e restaurantes das Praias do Preá e de Jericoacoara.

Dr. Lima

Nassif processa Gilmar Mendes, que recua de forma pusilânime: TSE me deve direito de resposta pela difamação

 

Nassif e gilmar mendes

Por que decidi processar Gilmar Mendes

QUI, 27/08/2015 – 23:10/ATUALIZADO EM 28/08/2015 – 10:21

por Luís Nassif, no GGN

O Ministro Gilmar Mendes me processou, um daqueles processos montados apenas para roubar tempo e recursos do denunciado. Eu poderia ter ficado na resposta bem elaborada do meu competente advogado Percival Maricatto.

Mas resolvi ir além.

Recorri ao que em Direito se chama de “reconvenção”, o direito de processar quem me processa.

A razão foram ofensas graves feitas por ele na sessão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na qual não conseguiu levar adiante a tentativa canhestra de golpe paraguaio, através da rejeição das contas de campanha de Dilma Rousseff.

Todo o percurso anterior foi na direção da rejeição, inclusive os pareceres absurdos dos técnicos do TSE tratando como falta grave até a inclusão de trituradores de papel na categoria de bens não duráveis.

Não conseguiu atingir seu propósito graças ao recuo do Ministro Luiz Fux, que não aceitou avalizar sua manobra. Ele despejou sua ira impotente sobre mim, valendo-se de um espaço público nobre: a tribuna do TSE.

“Certamente quem lucrou foram os blogs sujos, que ficaram prestando um tamanho desserviço. Há um caso que foi demitido da Folha de S. Paulo, em um caso conhecido porque era esperto demais, que criou uma coluna ‘dinheiro vivo’, certamente movida a dinheiro (…) Profissional da chantagem, da locupletação financiado por dinheiro público, meu, seu e nosso! Precisa ser contado isso para que se envergonhe. Um blog criado para atacar adversários e inimigos políticos! Mereceria do Ministério Público uma ação de improbidade, não solidariedade”.

O que mereceria uma ação de improbidade é o fato de um Ministro do STF ser dono de um Instituto que é patrocinado por empresas com interesses amplos no STF em ações que estão sujeitas a serem julgadas por ele. Dentre elas, a Ambev, Light, Febraban, Bunge, Cetip, empresas e entidades com interesses no STF.

Não foi o primeiro ato condenável na carreira de Gilmar. Seu facciosismo, a maneira como participou de alguns dos mais deploráveis factoides jornalísticos, a sem-cerimônia com que senta em processos, deveriam ser motivo de vergonha para todos os que apostam na construção de um Brasil moderno. Gilmar é uma ofensa à noção de país civilizado, tanto quanto Eduardo Cunha na presidência da Câmara Federal.

A intenção do processo foi responder às suas ofensas. Mais que isso: colocar à prova a crença de que não existem mais intocáveis no país. É um cidadão acreditando na independência de um poder, apostando ser possível a um juiz de primeira instância em plena capital federal não se curvar à influência de um Ministro do STF vingativo e sem limites.

Na resposta, Gilmar nega ter se referido a mim. Recua de forma pusilânime.

“o Reconvindo sequer faz referência ao nome do Reconvinte, sendo certo que as declarações foram direcionadas contra informações difamatórias usualmente disseminadas por setores da mídia, dentro dos quais o Reconvinte espontaneamente se inclui”.

Como se houvesse outro blog de um jornalista que trabalhou na Folha, tem uma empresa de nome Agência Dinheiro Vivo e denunciou o golpe paraguaio que pretendeu aplicar na democracia brasileira.

A avaliação do dano não depende apenas da dimensão da vítima, mas também do agressor. E quando o agressor é um Ministro do Supremo Tribunal Federal, que pratica a agressão em uma tribuna pública – o Tribunal Superior Eleitoral – em uma cerimônia transmitida para todo o país por emissoras de televisão, na verdade, ele deveria ser alvo de um processo maior, do servidor que utiliza a esfera pública para benefício pessoal.

***********************

O TSE me deve um direito de resposta

SEX, 28/08/2015 – 12:12

ATUALIZADO EM 28/08/2015 – 14:05

por Luís Nassif, no GGN

O que vou propor aqui não tem precedentes. Ou, como dizem os juristas, não tem jurisprudência formada. Mas acredito que seria oportuno os juristas se debruçarem sobre o tema, porque os ingredientes nele existentes poderão se repetir em outros episódios.

O que sugiro é uma ação de direito de resposta junto ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), tribuna da qual Gilmar se valeu para me difamar.

Vamos por partes.

Ponto 1 – O direito de resposta existe para assegurar ao ofendido o mesmo espaço dedicado às ofensas.

Parte do pressuposto que o ofendido dispõe de menos espaço que o ofensor para se defender. É por isso que se aplica, até agora, para a imprensa – que tem mais capacidade de disseminação de fatos do que suas vítimas. Ultimamente tem se aplicado também a blogs.

A Rede Globo jamais exigiria direito de resposta, porque tem um canhão imensamente superior ao de qualquer crítico. Contra os críticos, seus profissionais têm recorrido a ações cíveis de indenização.

Ponto 2 - um Tribunal – especialmente os superiores, em algumas sessões que atraiam interesse geral – dispõe de um poder de disseminação de fatos imensamente superior ao de um cidadão comum e, muitas vezes, superior ao de um único veículo .

É o caso do do julgamento final das contas de Dilma Rousseff, ocasião utilizada por Gilmar para me difamar -, com transmissão ao vivo por inúmeros veículos de mídia, incluindo a TV Justiça, portais e o conteúdo da sessão disponibilizado no canal Youtube do TSE, sendo assistido e posteriormente acompanhado por um público especializado.

Ponto 3 – Gilmar valeu-se do poder de disseminação de informação de uma sessão relevante do TSE para me imputar acusações difamatórias.

Há uma questão jurídica aí, na classificação do crime ou falta que Gilmar cometeu apropriando-se de um espaço público para ataques difamatórios. Mas aí é entre o Ministério Público Federal e ele – provavelmente nenhum procurador ou Procurador Geral da República ousará entrar com uma representação.

As circunstâncias em que o provável crime foi cometido remete ao ponto seguinte.

Ponto 4 – O crime não foi cometido por nenhuma veículo em especial, mas por um membro do TSE valendo-se de um conjunto de circunstâncias criadas pelo próprio TSE – obviamente, sem a intenção de propalar difamações.

Ora, independente de quem cometa o crime, um veículo é obrigado a publicar o direito de resposta do atingido no mesmo espaço. Por equivalência. caberia ao TSE providenciar o direito de resposta no mesmo espaço.

Aí se entra em outro problema: o TSE não teria como obrigar os veículos que transmitiram as injúrias de Gilmar a veicular minha resposta. Teria que ser, então, em uma sessão com o mesmo peso da anterior. Ou então caberia um levantamento dos veículos que veicularam a difamação de Gilmar e a compra de espaço, por parte do TSE, para assegurar o direito de resposta.

Desafio – Meu desafio aos juristas de boa vontade é ajudar a desenvolver – em linguagem e raciocínio jurídicos – esta tese. Não adianta argumentar que essa questão é inédita. É inédita porque comportamento como o de Gilmar Mendes também é inédito.

No mínimo, essa discussão ajudará a abrir algumas picadas para se começar a pensar em antídotos contra autoridades que não respeitam o próprio poder que representam.

http://www.viomundo.com.br/denuncias/nassif-processa-gilmar-mendes-por-difamacao-e-ministro-recua-de-forma-pusilanime-o-tse-me-deve-um-direito-de-resposta.html

Paulo Pimenta: Tucano que prometeu “arrancar cabeça de Dilma” terá que reafirmar ameaças à PF e dar explicações ao MPF e OAB

 

Pimenta e Matheus-001
Candidato do PSDB que prometeu “arrancar cabeça de Dilma” terá que reafirmar ameaças à Polícia Federal

O deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) apresentou, nesta segunda-feira (31), um conjunto de requerimentos à Polícia Federal, Ministério da Justiça, Ministério Público Federal e Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para que seja apurada a ameaça de morte à Presidenta Dilma Rousseff feita por um advogado de Brasília, e que em 2014 concorreu ao cargo de deputado federal pelo PSDB.

Em vídeo divulgado nas redes sociais, Matheus Sathler Garcia afirma que, caso a Presidenta Dilma não saia do Brasil até a véspera do dia 7 de setembro, “sangue vai rolar”, e prossegue dizendo que “com a foice e o com o martelo nós vamos arrancar sua cabeça e pregar e fazer um memorial pra você”.

No pedido remetido à PF, o deputado Pimenta solicita que o advogado filiado ao PSDB seja ouvido para que reafirme diante da autoridade policial as ameaças feitas à Presidenta Dilma. “Ele terá uma oportunidade para reafirmar as ameaças e esclarecer o teor de sua manifestação”, enfatizou Pimenta, lembrando que recentemente, em um caso idêntico, um americano foi detido após ameaçar de morte o Presidente Barack Obama. Nos Estados Unidos ameaças dirigidas ao Presidente são punidas com até 10 anos de prisão.

Em outro documento enviado ao Ministério da Justiça, o parlamentar requer “instauração de procedimento investigatório adequado”. De acordo com o Código Penal cabe, exclusivamente, ao ministro da Justiça proceder quando crimes contra a honra forem dirigidos à Presidente da República.

O deputado Pimenta fez ainda mais três encaminhamentos: ao Gabinete de Segurança Institucional do Ministério da Justiça, responsável pela segurança do 7 de setembro; um pedido de providências ao Ministério Público Federal, por incitação ao crime; e à Ordem dos Advogados do Brasil, para que o Tribunal de Ética e Disciplina instaure processo disciplinar contra Matheus Sathler Garcia.

De acordo com Pimenta, além das ameaças, o advogado prega mecanismos violentos de rompimento da ordem constitucional, com flagrante escárnio pelos princípios do Estado Democrático de Direito.

“O Código prevê ainda que o advogado ‘deve ter consciência de que o Direito é um meio de mitigar as desigualdades para o encontro de soluções justas e que a lei é um instrumento para garantir a igualdade de todos’ (artigo 3º).

O advogado Matheus Diniz Sathler Garcia, ao contrário, prega mecanismos violentos e que se valem até mesmo de tortura e da morte para finalidades políticas”, diz o pedido do deputado Pimenta enviado à OAB.

Veja também:

O vídeo com as ameaças do tucano Matheus Sathler à vida de Dilma

http://www.viomundo.com.br/denuncias/paulo-pimenta-tucano-que-prometeu-arrancar-cabeca-de-dilma-tera-que-reafirmar-ameacas-a-pf-ele-tera-dar-tambem-explicacoes-ao-mpf-e-a-oab.html

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

TSE: POR QUE AÉCIO OMITIU DOAÇÃO DA ODEBRECHT?

 

:

Relatora das contas da campanha de Aécio Neves (PSDB-MG) à Presidência da República no TSE, ministra Maria Thereza de Assis Moura pediu explicações sobre 15 supostas irregularidades detectadas nos documentos entregues à corte; entre as mais graves, estão o fato de Aécio ter repassado ao PSDB uma doação de R$ 2 milhões feita pela empreiteira de Marcelo Odebrecht, mas não ter registrado a transação na prestação de contas; além da Odebrecht, o TSE quer saber também por que Aécio recebeu R$ 1,75 milhão da construtora Construbase, mas só declarou R$ 500 mil; ao todo, doações recebidas antes das prestações de contas parciais e que só foram registradas nas prestações finais somam mais de R$ 6 milhões

30 DE AGOSTO DE 2015 ÀS 12:44

247 - A relatora da prestação de contas da campanha do senador Aécio Neves (PSDB-MG) à Presidência da República no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Maria Thereza de Assis Moura, solicitou do tucano explicações sobre 15 supostas irregularidades detectadas nos documentos entregues à corte.

Entre elas está o fato de Aécio ter repassado para o PSDB uma doação de R$ 2 milhões da Odebrecht, mas não ter registrado a transferência na prestação de contas.

"O comitê financeiro nacional para presidente da República do PSDB registrou em sua prestação de contas o recebimento de doação de R$ 2 milhões, efetuada pelo candidato, no entanto, não há o registro da transferência na prestação de contas", afirma o relatório técnico da Justiça Eleitoral. A Odebrecht é uma das empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato e seu presidente, Marcelo Odebrecht, está preso desde 17 julho.

Segundo dados divulgados pelo Estado de S. Paulo, além da Odebrecht, o TSE aponta também uma diferença entre o valor declarado pela campanha e o montante efetivamente doado pela construtora Construbase. O candidato tucano recebeu R$ 1,75 milhão, mas declarou R$ 500 mil.

A ministra Maria Thereza de Assis Moura quer saber também por que a campanha tucana declarou R$ 3,9 milhões em doações estimáveis apenas na prestação de contas retificadora.

Das 15 irregularidades detectadas pelo tribunal, pelo menos três foram consideradas infrações graves. Elas dizem respeito a doações recebidas antes das prestações de contas parciais e que só foram registradas nas prestações finais, somando mais de R$ 6 milhões.

O PSDB informou por meio de nota que já esclareceu ao TSE todas as dúvidas e ratificou os erros apontados pelo tribunal. Segundo o partido, todos as doações foram registradas com os devidos recibos eleitorais, inclusive as da Odebrecht e Construbase, e as falhas detectadas são erros meramente contábeis.

http://www.brasil247.com/pt/247/poder/194841/TSE-por-que-A%C3%A9cio-omitiu-doa%C3%A7%C3%A3o-da-Odebrecht.htm

Quem se beneficia de todas as pesquisas do tipo “e se a eleição fosse hoje?”

 

por : Kiko Nogueira

urna

Um estranho fenômeno ocorre desde janeiro de 2015: o ano eleitoral brasileiro passou a ter mais de 1500 dias.

A quantidade de pesquisas com o título “se a eleição fosse hoje, em quem você votaria” ultrapassou qualquer limite do absurdo. Há pelo menos uma por mês. O Google completa sozinho a frase, como você pode ver abaixo.

Cui bono? Quem ganha com isso?

Em 2014, alguns institutos — nominalmente, Paraná, Sensus e Veritá — foram responsáveis por presepadas homéricas. Todas ficaram impunes. Continuam trabalhando normalmente, sob encomenda de não se sabe de quem.

Na sexta, 28, o Paraná saiu com um levantamento, veiculado celeremente no blog do jornalista e ficcionista Ricardo Noblat.

Teriam sido ouvidos 2 060 pessoas de 154 municípios de todos os estados, mais o Distrito Federal. Aécio venceria Lula com quase o dobro dos “votos” – 54,7% a 28,3%. Uau.

Em março, o mesmo Paraná já havia feito a mesma pergunta. Deu Aécio com 51,5% contra Lula, com 27,2%. Uau, uau, uau.

Em fevereiro, a questão era se aqueles que votaram em Dilma estavam arrependidos: 21,7% não repetiriam a escolha. Com relação a Aécio, só 3,8% voltariam atrás. O placar, então, seria de 51 milhões para Aécio contra 49,1 para a petista.

Captura de Tela 2015-08-28 às 12.20.51

No ano passado, a cinco dias do pleito, o Veritá apareceu com uma pesquisa em que Aécio aparecia com 53,2% contra 46,8% de sua adversária. De acordo com a Folha, em matéria na semana seguinte, houve utilização de dados falsos.

O diretor do instituto Paraná, Murilo Hidalgo, é comentarista da Gazeta do Povo, o maior jornal do estado, e da CBN-Curitiba.

Num artigo no site da empresa, escreveu o seguinte: “Com essas eleições ficou claro que é urgente uma discussão honesta e franca acerca da utilização das pesquisas”.

Treino é treino e jogo é jogo — mas esses dados servem para manipular e inflar uma insatisfação, além de alimentar a sensação de instabilidade. O desejo é matar Lula antes de ele entrar em campo.

É muito pouco provável que ele, ou qualquer um, desista por causa disso.

Curiosamente, não há pesquisas, por exemplo, para saber se, atualmente, Geraldo Alckmin venceria. O calendário eleitoral paulista é diferente.

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).

Sobre o Autor
Diretor-adjunto do Diário do Centro do Mundo. Jornalista e músico. Foi fundador e diretor de redação da Revista Alfa; editor da Veja São Paulo; diretor de redação da Viagem e Turismo e do Guia Quatro Rodas.

Nosso correspondente na Batalha do Lula Inflado

 

por : Pedro Zambarda de Araujo

Marcello Reis, dos Revoltados On Line, chora a morte do Lula Inflado

Marcello Reis, dos Revoltados On Line, chora a morte do Lula Inflado

Batizado pelos antipetistas de “Pixuleco”, o boneco inflável que critica o ex-presidente Lula apareceu pela primeira vez nos protestos do dia 16 de agosto, em Brasília, e ressurgiu na manhã desta sexta-feira na Ponte Estaiada em São Paulo.

Seus criadores, membros do MBL e dos Revoltados Online, pretendiam fazer uma turnê nacional do bonecão no país.

Tudo terminou com alguns furos feitos por militantes petistas na frente da prefeitura paulistana, ao lado do Viaduto do Chá, por volta das 16h.

A investida da militância ocorreu na presença de Marcello Reis, rei dos Revoltados On-line. Um princípio de confusão aconteceu e a Polícia Militar interveio, sem uso de violência.

“Eles nos deram um golpe. Isso aqui é um golpe”, gritou um dos manifestantes pró-impeachment para os petistas e reclamando do Lulão furado, que começou a ser recolhido para uma sacola plástica quando o DCM chegou ao local.

“Foi uma manifestante esquerdista que veio e rasgou o nosso boneco. Ela fez dois rasgos na altura do peito dela, sendo que ela tem mais ou menos 1m70. Nós erguemos o boneco diante da prefeitura de São Paulo e eles cometeram esse ato criminoso”, disse Henrique, do Movimento nas Ruas Contra a Corrupção, que tem 24 anos.

Ele define sua manifestação como democrática e acha que o PT tem direito de se manifestar contra. Mas não achou justo o sacrifício do bonecão Pixuleco. O DCM conversou com Carmen Ferreira, da Frente da Luta pela Moradia (FLM) e uma mulher de esquerda.

“Nós não viemos apenas defender o Lula, mas sim fazer um protesto pelos nossos direitos. Em 12 anos de PT, o que nós trabalhadores tivemos foram avanços e não podemos ser a favor de uma manifestação contra este governo porque isso é contra o que nós conquistamos. Se há problemas, temos que nos unir e não impedir a presidente de governar”, disse ela.

A militante definiu o bonecão como uma “afronta”. “Por que não fazem então um boneco inflado do Aécio 45 171?”.

Henrique não deu uma explicação muito clara sobre os R$ 12 mil investidos no Pixuleco, número fornecido pela revista Época. “Não é esse valor, não. Nós gastamos na verdade R$ 3 mil e os movimentos fizeram uma espécie de vaquinha via Whatsapp com os integrantes. Este boneco ficou famoso em Brasília e nós resolvemos trazer ele para São Paulo”, me explicou, baixando os olhos, hesitando.

Na internet, as pessoas fizeram piada com o Lula Inflado. “Que crime isso! Boneco do Lula é a figura mais carismática deste país desde o Cebolinha”, disse um dos meus amigos. Outro reclamou que a agora o PT não pode criar seu próprio bonecão do Aécio. Uma pessoa também disse que a derrotada do Lulão é o “fim de um meme” digital.

A melhor definição do incidente veio de uma amiga minha de faculdade no Facebook: “Ele morreu como nasceu, numa baita furada”.

A mulher suspeita de ter dado os dois furos foi levada para a delegacia e não foi identificada. Ela foi encaminhada ao 3º DP. Outro homem conseguiu fugir.

O delegado pediu a nota fiscal do Lula Inflado ao líder dos Revoltados On-line e aos outros presentes.

Um jornalista confiável, com fontes próximas ao MBL e ao Revoltados On-Line já me avisou: existem outros bonecos do Lula Inflado por ai. Isso talvez explique a informação dos R$ 12 mil divulgada anteriormente.

Apesar da furada, o Lula Inflado pode aparecer novamente nos protestos da oposição antipetista. Surgirá num futuro próximo, um Godzilla levando terror aos homens de bem.

lula

lula4

lula3

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).

Pedro Zambarda de Araujo

Sobre o Autor
Escritor, jornalista e blogueiro. Autor do projeto Geração Gamer, que cobre jogos digitais feitos no Brasil. Teve passagem pelo site da revista EXAME e pelo site TechTudohttp://www.diariodocentrodomundo.com.br/nosso-correspondente-na-batalha-do-lula-inflado-por-pedro-zambarda/

Janot absolve único tucano da Lava Jato

 

Anastasia era o bode expiatório – era.

Saiu no Globo:

Lava-Jato: PGR pede arquivamento de inquérito contra Antônio Anastasia no STF

Defesa do senador tucano já havia pedido trancamento das investigações

por Carolina Brígido
BRASÍLIA – O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou nesta sexta-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedido de arquivamento do inquérito contra o senador Antônio Anastasia (PSDB-MG). Para Janot, não há elementos mínimos para justificar a continuidade da investigação. Caberá ao relator da Lava-Jato no tribunal, ministro Teori Zavascki, formalizar o arquivamento.
No dia 16, a defesa de Anastasia pediu o trancamento das investigações. Os advogados desqualificaram o depoimento do ex-policial Jayme Alves de Oliveira Filho, conhecido como Careca, que entregava dinheiro a diversos políticos por ordem do doleiro Alberto Youssef. O ex-policial disse, em depoimento, que entregou R$ 1 milhão em 2010 a uma pessoa parecida com Anastesia. Depois, Youssef negou que tenha pedido a Careca para entregar qualquer quantia ao tucano.
— O arquivamento era a única solução que nós esperávamos. Na verdade, o nosso desejo era que fosse esclarecido a quem esse rapaz Careca teria entregue esses valores, se é que entregou. O depoimento do Alberto Youssef foi muito categórico dizendo que o dinheiro não foi entregue ao senador. Isso é suficiente para o arquivamento, por falta de indício de verdade daquilo que o Careca disse — afirmou o advogado Maurício Oliveira Campos, depois de saber do arquivamento.
(…)

Veja também:

Quem é quem na lista tucana de Furnas

http://www.conversaafiada.com.br/politica/2015/08/29/janot-absolve-unico-tucano-da-lava-jato/

Seca tucana: Alckmin é o criminoso !

 

Vai um impítim do Alckmin, professor Gandra ? Vai, Dr Reale ?


Da Fel-lha:
Grande São Paulo (tucana há três décadas – PHA) teria 51% mais água se gestão (sic) Alckmin tivesse agido antes”
“Com ações como sobretaxa e bônus desde janeiro de 2014
(antes da eleição … – PHA) Grande são Paulo teria 238 bilhões de litros a mais”
Esse volume equivale a uma vez e meia toda a agua hoje na Cantareira.
Sobre outra magnifica ação tucana em São Paulo, veja que a batalha entre a PM e a Policia Civil resultou numa vergonha de dimensões internacionais: não será possível provar nada contra os suspeitos da chacina que matou dezoito inocentes !
Viva a Chuíça (ver no ABC do C Af) !
E ainda querem governar o Brasil !
Vai acontecer alguma coisa ao Alckmin pelo crime de provocar e preservar a seca ?
Nada !
Pergunta ao Anastasia, o único tucano (vivo) da Lava-Jato e que acaba de merecer a absolvição do Janó.
O escândalo não é o que os tucanos fazem.
O escândalo é estarem soltos !
Não é isso, Tarja Preta?

Em tempo do amigo navegante joão augusto:

PauLISTA de Furnas
PaulLISTA sem pau é LISTA
PauLISTA sem lLISTA é pau
Tiraram o pau do PauLISTA
PauLISTA ficou sem pau
PauLISTA de Furnas
Barão da Cantareira
Marquês do PCC,
Alckmin só dá bandeira!

Paulo Henrique Amorim
http://www.conversaafiada.com.br/politica/2015/08/30/seca-tucana-alckmin-e-o-criminoso-%e2%80%8b/

sábado, 29 de agosto de 2015

Delator reafirma 'tabelinha' entre empreiteira e PSDB em Furnas

 

:

Jornalista Helena Sthepanowitz, da RBA, mostra que são fartas as evidências sobre a corrupção acerca da Lista de Furnas e o PSDB; caso voltou a tona nas declarações do doleiro Alberto Youssef, que reafirmou que o presidente nacional tucano, Aécio Neves, recebia propina de uma diretoria de Furnas, por meio da empresa Bauruense; irmã do senador, Andrea, seria a operadora que recolhia o dinheiro, segundo a delação de Yousseff; "A frase proferida pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, durante a semana – "Pau que dá em Chico dá em Francisco" –, não está valendo. Ainda", afirma

28 de Agosto de 2015 às 17:33

Helena Sthephanowitz, RBA - A acareação organizada pela CPI da Petrobras, entre o doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa, na última terça-feira (25), trouxe uma importante confirmação, que deveria ter sido levada a sério pela velha mídia do país: o doleiro voltou a relatar sua participação em uma reunião na empreiteira Camargo Correa, em 2002, junto com o então deputado José Janene (do PP paranaense, morto em 2010), para cobrar daquela empresa R$ 4 milhões, como parte de um acordo de propinas e corrupção dentro da hidrelétrica mineira de Furnas. Segundo Youssef, um executivo da empreiteira, João Auler, disse a Yousseff e a Janene que o valor já havia sido pago a agentes do PSDB.

Yousseff também reafirmou que Janene contou a ele que dividia com o senador Aécio Neves (PSDB-MG) as propinas desviadas de uma diretoria de Furnas, por meio da empresa chamada Bauruense. A irmã do senador, Andrea, seria a operadora que recolhia o dinheiro, segundo a delação de Yousseff. E que o esquema tucano teria sido montado em 1994.

O relato é mais um a confirmar a existência da chamada "Lista de Furnas", relação de pagamentos clandestinos feitos por empresas fornecedoras daquela estatal para políticos tucanos e seus aliados nas eleições de 2002.

O senador Aécio e seus familiares tiveram grande influência em Furnas na época desses (ainda supostos) acontecimentos. O pai, o ex-deputado Aécio Ferreira da Cunha, foi nomeado conselheiro de administração em 1993, cargo em que permaneceu durante o governo Itamar Franco, passando por todo o mandato de Fernando Henrique Cardoso, e indo até 2005, já com o país sob o primeiro mandato do governo Lula – por força de arranjos políticos locais, em que "aliados" tanto compuseram a base governista federal, como apoiaram o governo tucano de Minas.

Nos meios políticos atribui-se a Aécio Neves a indicação de Dimas Toledo, epicentro do escândalo da lista, num cargo de diretoria de Furnas durante o governo FHC e também até 2005.

São fartas as evidências e provas sobre a corrupção acerca da Lista de Furnas. Além dos relatos de Youssef, o ex-deputado Roberto Jefferson (pelo PTB-RJ) afirmou ter recebido R$ 75 mil a título de participação do esquema.

Nilton Monteiro, que revelou a trama há dez anos, é caso único de delator que autoridades responsáveis por investigações parecem fugir como o diabo foge da cruz. Se a Lava Jato solta presos provisórios após fecharem acordo de delação premiada, Nilton Monteiro foi mantido preso na jurisdição estadual mineira só para ficar calado, e não poder delatar.

Ele ofereceu-se ao então ministro do STF Joaquim Barbosa, para contar tudo o que sabia dos bastidores das campanhas tucanas de que ele participou mas, "sabe-se lá por quê", ninguém quis ouvi-lo.

O desinteresse na apuração das denúncias se repete agora nos trabalhos – e sobretudo na cobertura – da Operação Lava Jato. A investigação chegou a resvalar no setor elétrico, mais precisamente na Eletronuclear, mas insiste em solenemente ignorar Furnas, mesmo havendo uma série de denúncias de pagamento de propinas ao PSDB e formação de caixa 2 para financiar campanhas eleitorais de tucanos.

Assim, a frase proferida pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, durante a semana – "Pau que dá em Chico dá em Francisco" –, não está valendo. Ainda.

http://www.brasil247.com/pt/247/minas247/194756/Delator-reafirma-'tabelinha'-entre-empreiteira-e-PSDB-em-Furnas.htm