quarta-feira, 23 de julho de 2014

Com 38%, Dilma vence 2º turno, diz Ibope

 

Qua, 23 de Julho de 2014 00:00

A presidente Dilma Rousseff lidera a corrida presidencial com 38% das intenções de voto; em segundo lugar aparece o senador Aécio Neves com 22%; o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB) tem 8% / Foto: Divulgação

Pesquisa Ibope divulgada ontem (22) pelo “Jornal Nacional”, transmitido pela TV Diário, mostra a presidente Dilma Rousseff como líder da corrida presidencial com 38% das intenções de voto. Em segundo lugar aparece o senador Aécio Neves (PSDB-MG), com 22%. O ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB) tem 8%. Todos os outros candidatos juntos somam 5%.

Segundo o Ibope, 16% votariam branco ou nulo se a disputa fosse hoje. Outros 9% declararam não saber em quem votar. Dilma também lidera as simulações de segundo turno feitas pelo Ibope. Contra Aécio, vence por 41% a 33%. Contra Campos, por 41% a 29%.

A pesquisa foi encomendada pela TV Globo em parceria com o jornal "O Estado de S. Paulo". Com 2.002 entrevistas entre os dias 18 e 22, o levantamento tem margem de erro de dois pontos para mais ou para menos. A taxa de confiança é de 95%. O registro do levantamento no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) é BR-00235/2014.

As taxas de rejeição a Dilma e Aécio oscilaram negativamente de junho para cá. No mês passado, 38% dos eleitores disseram que não votariam de jeito nenhum na presidente. Hoje são 36%. No mesmo período, a rejeição ao tucano variou de 18% para 16%. A taxa de rejeição a Eduardo Campos caiu de 13% para 8%, e a do pastor Everaldo foi de 18% para 11%. Segundo o levantamento, 13% disseram que poderiam votar em todos os candidatos.

A maioria absoluta dos eleitores acredita que Dilma vai se reeleger em outubro. Para 16%, Aécio Neves, é o favorito na disputa. Apenas 5% acreditam que o próximo presidente será Eduardo Campos. Quase um quarto dos eleitores (24%) não soube responder à questão.

Para o Senado, o ex-governador Tasso Jereissati (PSDB) lidera a disputa com 58% das intenções de voto. O candidato do Pros, Mauro Filho, aparece em segundo, com 14%, à frente de Raquel Dias (PSTU), com 5%, e Geovana Cartaxo (PSB), com 2%.

Na última pesquisa Ibope, Tasso, que compõe chapa com Eunício Oliveira, marcou 47% dos votos. Na ocasião, o nome de Mauro Filho ainda não havia sido definido para concorrer ao Senado.

Alckmin

Em busca de vacinas contra as críticas que sofrerá durante a campanha eleitoral, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), escalou ontem o secretário estadual de Saneamento e Recursos Hídricos, Mauro Arce, para coordenar o núcleo responsável pelas propostas na área de segurança hídrica em seu programa de governo.

A escolha é uma tentativa de fortalecer uma área considerada por adversário do tucano como um dos "calcanhares de aquiles" de sua administração. A crise de desabastecimento do Sistema Cantareira, que opera desde maio com o volume morto, é alvo de ataques tanto do PT como do PMDB, que acusam o governo paulista de não ter investido o suficiente na área para evitar a escassez de água.

http://www.odiariodemogi.inf.br/nacional/24524-com-38-dilma-vence-2o-turno-diz-ibope.html

terça-feira, 22 de julho de 2014

Eunício tem 44%, Camilo 14%, Eliane fica com 6% e Ailton com 3% das intenções de voto

 

Tasso Jereissati lidera a corrida ao Senado Federal com 58%, tendo Mauro Filho em segundo lugar com 14%.

Anderson Pires
redacao@cearanews7.com.br

O IBOPE Inteligência Pesquisa e Consultoria LTDA divulgou, nesta terça-feira (22), a primeira pesquisa de intenção de voto após a realização das convenções partidárias que definiram as candidaturas que disputarão as eleições ao Governo do Estado e ao Senado Federal representando o Ceará. O levantamento foi encomendado pela TV Verdes Mares.
Segue abaixo os dados revelados nas entrevistas:
GOVERNO DO CEARÁ

  • Eunício Oliveira (PMDB) – 44%
  • Camilo Santana (PT) – 14%
  • Eliane Novais (PSB) – 6%
  • Ailton Lopes (PSOL) – 3%
  • Branco / Nulo – 15%
  • Não Sabe / Não Respondeu – 18%

SENADO FEDERAL
  • Tasso Jereissati (PSDB) – 58%
  • Mauro Filho (PROS) – 14%
  • Raquel Dias (PSTU) – 5%
  • Geovana Cartaxo (PSB/Rede) – 2%
  • Branco / Nulo – 11%
  • Não Sabe / Não Respondeu – 10%

A pesquisa, que ouviu 1.204 eleitores, entre os dias 18 e 20 de julho, foi registrada junto ao TSE com o número CE-00010/2014. A margem de erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos, e o nível de confiança chega a 95%.

 http://www.cearanews7.com.br/ver-noticia.asp?cod=18709

Em 2060, economia terá menos crescimento e mais desigualdade

 

Crescimento em baixa, desigualdade em alta, pressões fiscais e perdas climáticas: eis a economia global que a OCDE desenha para 2060 em seu novo relatório

Size_80_joao-pedro-caleiro

João Pedro Caleiro, de

Roland Fischer/Wikimedia Commons

Globo em pedras

O conhecimento se tornará central para a economia nas próximas décadas

São Paulo – Se fazer previsões econômicas para o mês que vem já é difícil, imagine para os próximos 50 anos. Isso não impede, é claro, os economistas de tentarem.

Recentemente, a OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico), que reúne 34 países (na sua maioria de renda alta) delineou o seu cenário da economia global em 2060.

A má notícia é que as perspectivas de crescimento são “medíocres comparadas com o passado”.

A previsão é que o PIB nos países da OCDE e do G-20 cresça em média 2,7% anuais entre 2010 e 2060, comparado aos 3,4% registrados entre 1996 e 2010.

A boa notícia é que o centro do sistema deve continuar caminhando em direção aos países emergentes, que terão no futuro uma fatia da economia global muito mais alta do que a dos países da OCDE.

Mas enquanto a diferença entre países e regiões deve diminuir, vai continuar aumentando a desigualdade interna dos países. Como a economia será cada vez mais centrada no conhecimento, a diferença nas perspectivas dos mais e menos qualificados vai aumentar – um processo que já está acontecendo, mas vai ficar cada vez mais intenso.

“Continuando a tendência atual, a desigualdade de renda no país médio da OCDE terá crescido 30% até 2060, atingindo o mesmo nível de desigualdade visto atualmente nos Estados Unidos”.

E pior: muitos dos instrumentos usados hoje para combater a desigualdade, como a política tributária, também devem ficar menos eficientes.

O perigo é que na medida em que a economia global fique mais integrada, os países entrem em uma “corrida para o abismo”, um nivelamento por baixo em que benefícios trabalhistas e formas de redistribuição são evitados para não afugentar empresas e negócios.

Uma economia baseada no conhecimento também tem naturalmente mais mobilidade. Neste cenário, começa a fazer mais sentido taxar coisas mais tangíveis - como imóveis e recursos naturais, por exemplo. Mas são justamente estes tipos de bens que devem perder importância na economia do futuro.

A solução sugerida pela OCDE é aumentar a cooperação internacional e focar em combater a desigualdade equalizando as oportunidades desde os primeiros momentos de vida, através de uma educação constante e de alta qualidade.

De uma forma ou de outra, também será difícil achar os recursos necessários, porque os desafios fiscais devem se acumular.

Uma população cada vez mais velha (ou até mesmo em declínio) coloca pressão sobre a previdência, e os governantes terão que responder com medidas impopulares de ajuste como o aumento da idade de aposentadoria.

O documento sugere mais imigração como a melhor forma de amenizar o problema populacional – mas muitos países tem uma conhecida resistência histórica contra receber mais estrangeiros, e na medida em que os emergentes enriquecem, diminuem também os incentivos para que deixem seus países.

E isso sem falar no aquecimento global: de acordo com a OCDE, “o PIB global em 2060 pode ser diminuido entre 0,7% e 2,5% graças ao efeito dos impactos da mudança climática”. Nos anos seguintes, as consequências devem ser ainda piores.

FBI incentivou atos terroristas em operações infiltradas

 

Segundo relatório da Human Rights Watch, a agência americana teria pago para pessoas cometerem atos terroristas

O relatório da Human Rights Watch cita o caso de Rezwan Ferdaus, condenado a 17 anos de prisão por planejar um ataque contra o Pentágono com pequenos drones carregados de explosivos

Foto: AFP PHOTO / US DEPARTMENT OF JUSTICE / AFP

O FBI encorajou e até mesmo pagou muçulmanos americanos para incitá-los a cometer atentados durante operações infiltradas, montadas depois dos atentados do 11 de setembro, segundo um relatório da ONG Human Rights Watch (HRW) divulgado nesta segunda-feira.

Em muitos dos 500 casos de terrorismo analisados por tribunais americanos desde 2001, "a promotoria americana e o FBI tiveram como objetivo muçulmanos americanos em operações clandestinas de contraterrorismo abusivas, baseadas na condições religiosa ou étnica", denuncia o informe da HRW.

A conceituada organização estudou 27 casos, com a ajuda da Escola de Direito da Universidade da Columbia. Foram examinados os processos de investigação, acusação e as condições de prisão de dezenas de pessoas. Foram compilados 215 testemunhos, entre acusados, processados, advogados, juízes e promotores.

"Em alguns casos, o FBI pode ter criado terroristas a partir de pessoas que respeitavam a lei, ao sugerir a ideia de realizar ações terroristas ou ao encorajar o alvo a agir", diz o texto, que considera que metade das condenações são resultado de operações infiltradas. Em 30% dessas situações, o agente infiltrado joga um papel ativo na tentativa de atentado.

"Muitas das pessoas nunca teriam cometido um crime, se as forças de ordem não as tivessem estimulado, impulsionado e até mesmo pago, para cometer atos terroristas", explicou Andrea Prasow, uma das autoras do trabalho.

Fonte: http://noticias.terra.com.br/mundo/estados-unidos/fbi-incentivou-atos-terroristas-em-operacoes-infiltradas,e6898f5db7957410VgnCLD200000b2bf46d0RCRD.html

Nordeste segue com crescimento firme e ampla distribuição de renda

 

Matéria divulgada pela edição do jornal Valor Econômico de ontem (21) destaca levantamento da consultoria Plano CDE, que, baseada na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2012, chegou à conclusão que a classe média está ultrapassando o total de pobres e vulneráveis na única região do País em que ela ainda não era maioria: no Nordeste brasileiro. Na região, a classe C conta com 23,9 milhões de pessoas e há outros 23,7 milhões entre a D e E. Apesar de o primeiro grupo ser ligeiramente maior, ambos representam 45% da população.

Segundo os dados, o Nordeste assistiu à diminuição significativa de sua população pobre nos últimos dez anos – período que coincide com os governos de Lula e Dilma. O texto ressalta que, entre 2001 e 2012, o ganho de renda das famílias, mais expressivo entre as classes D e E, reduziu a participação da chamada base da pirâmide de 66% para 45% dos nordestinos. A tendência de crescimento real da renda entre os domicílios mais pobres da região indica que esse movimento deve continuar nos próximos anos.

Para Luciana Aguiar, da consultoria CDE, a tendência de aumento nos rendimentos mais forte entre as famílias de baixa renda deve se sustentar na região nos próximos anos, garantida pela manutenção de políticas de distribuição de renda, como o Bolsa Família e pelo forte investimento governamental e privado nos polos industriais – Pecém no Ceará e Suape em Pernambuco, por exemplo. O ritmo, contudo, deve ser influenciado pela desaceleração da atividade no último ano e perder fôlego, ressalva.

O deputado José Guimarães (PT-CE) avalia que o estudo revela um Nordeste diferente daquele onde imperava o apartheid social e político. “Diferentemente do que dizem, o Nordeste cresceu e se desenvolveu por conta dos programas de transferência de renda, dos investimentos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e da capacidade de atração da iniciativa privada, já que a região foi dotada da infraestrutura logística para receber esses investimentos. Portanto é uma região diferenciada”, analisa Guimarães.

Outros fatores – De acordo com o estudo, em outra frente, a economia da região pode ser impulsionada pela composição atual da estrutura etária.“O Nordeste ainda vai passar pelo bônus demográfico”, ressalta Luciana, referindo-se à participação dos jovens de 15 a 29 anos na população local, de 26%. Esse vetor, porém, está condicionado ao processo de qualificação profissional da classe média e dos pobres e vulneráveis na região. “Sem uma preparação para competir por um bom emprego, eles podem perder a oportunidade”, avalia.

Um dos achados mais importantes da pesquisa da Plano CDE trata do empreendedorismo individual no Nordeste. Segundo os números da Pnad, metade da classe média é formada por informais ou trabalhadores por conta própria. Essa característica explica, por exemplo, o sucesso do segmento porta a porta – que também resolve a dificuldade de distribuição e penetração que o varejo tem entre as classes de menor renda –e pode virar oportunidade de negócio para as empresas interessadas em investir na região. “Elas podem ganhar muito se virem o consumidor também como parceiro de negócios”, defende.

Consumo – O mercado consumidor formado pelas classes D e E no Brasil tem chamado cada vez mais atenção do setor produtivo. Em 2012, a massa de rendimento das famílias que formam a base da pirâmide no país chegou a R$ 21,1 bilhões, valor 83,4% maior do que em 2004, já descontada a inflação no período. O aumento levou a participação do grupo no total da massa entre as classes de 10,8% naquele ano para 12,4%.

No recorte por domicílio, a renda entre os 40% mais pobres aumentou 51%, contra 31,3 % da média nacional. O valor bruto da média mensal, que chegou a R$ 841, ainda é considerado baixo se comparado às medidas internacionais de desenvolvimento humano. O volume de recursos disponível para consumo, porém, é cada vez menos desprezível para algumas empresas. Por isso, setores como os de alimentos e serviços, inclusive o financeiro, já desenham políticas específicas para vender para esse público.

PT na Câmara

DOS 513 DEPUTADOS FEDERAIS, 399 DISPUTAM REELEIÇÃO

 

Dos 513 deputados federais, 399 (77,78% da composição atual da Câmara) vão concorrer à reeleição em outubro deste ano. Dos 114 restantes, 37 (7,21%) não disputarão nenhum cargo e 77 (15%) concorrerão a outros cargos. Os dados foram divulgados pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap).

De acordo com o levantamento, dos 77 que almejam outros cargos, 21 querem se tornar vice-governadores, 21 disputarão cadeira no Senado, 19 preferem ser deputados estaduais, dez pretendem ser governadores e seis são candidatos a suplente de senador.

Ainda segundo o Diap, a renovação pode ser de 22,22%, se todos que tentam a reeleição conseguirem outro mandato de deputado. Em 2010, o índice de renovação foi de 45%.

A estimativa do Diap é que a renovação da Câmara em 2014 ultrapasse a média histórica, superando os 50% da composição da Casa.

Por Armando Costa no Sobral de Prima

segunda-feira, 21 de julho de 2014

A desolação

Certas vezes nos encontramos em estado de profunda desolação. Aflitos, tristes, consternados. Os motivos são variados. Existe um peso nas costas e a sensação de que nada dá certo. Em alguns momentos, nem conseguimos orar, pois acreditamos que mesmo Deus está longe de nós e pouco interessado em nossas tristezas e frustrações. No entanto, isso não é verdade. Vejamos...

A Bíblia mostra que Deus se preocupa demasiadamente conosco.

Basta que façamos uma leitura de Salmos 139 e descobriremos que o Senhor nos conhece (verso1) e monitora todos os nossos movimentos, conhecendo também nossos pensamentos (verso 2). Perceberemos que inexiste lugar no céu ou na terra onde possamos escapar do seu Espírito (verso 7). Ainda que possamos imaginar que o Espírito de Deus não está conosco, ele está sempre presente (verso 8), e nos conhece desde quando ainda estávamos informes, antes de nascermos (verso 16).

Ora, que maravilha! Somos muito importantes. Na parte final do versículo 8, capítulo 2 de Zacarias, está escrito: “... porque aquele que tocar em vós toca na menina do seu olho”.Somos preciosos para Deus. Ele permuta reinos e nações em troca de nós, pois nos ama (Isaías 43.4). Entendendo isso, fica mais fácil confiarmos que a sua providência regerá a nossa vida, podendo contar com o seu apoio nas dificuldades e problemas.

Maior desolação é ficar privado do contato com Deus, enquanto que a melhor consolação é descansar nas suas promessas. Em Mateus, capítulo 11, versículos 28-30, podemos ler:“Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.” “Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas.” “Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.”

O jugo ou canga é uma armação de madeira que se coloca sobre o pescoço dos animais (bois, cavalos, jumentos...) para o trabalho (carro ou arado) e que tem a função de guiá-los para que não se desviem. Da mesma forma, o jugo de Deus é o seu direcionamento para nossas vidas; e o seu direcionamento é suave, porquanto é baseado no amor ao Senhor e ao próximo. O fardo são as obrigações decorrentes desse amor, e que devem ser assumidas por nós de forma voluntária, até que aprendamos a viver no amor, com amor e por amor.

Em Isaías, capítulo 10, versículo 27, está escrito: “E acontecerá, naquele dia, que a sua carga será tirada do teu ombro, e o seu jugo do teu pescoço; e o jugo será despedaçado por causa da unção.” Ser abençoado por Deus é prêmio dos melhores e pode ser alcançado desde que nos arrependamos; professemos a fé em Jesus Cristo como único Salvador; pratiquemos boas obras e nos afastemos de erros e pecados. Não é fácil, mas é possível. Traz conforto. Consola. Fortalece o crente e aqueles que estão a sua volta.

Aflições fazem parte da vida, mas divididas com o Senhor pesam muito menos. O seu direcionamento nos auxilia a sair da desolação, e encontrar a consolação do espírito. Faça a experiência de Deus em sua vida. Procure uma igreja onde possa exercitar sua fé, mas seja criterioso, pois a Bíblia diz em Mateus 24, versículo 24, que“surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganariam até os escolhidos.” Acautele-se, portanto, para não cometer engano. Adquira o hábito de estudar a Bíblia e julgar todo o ensino de acordo com o que diz a Escritura. Fazendo assim, encontrará consolação.

Maria Regina Canhos (e.mail:mariaregina.canhos@gmail.com) é escritora.

 

    As férias terminarão dia 4 de agosto

    PROGRAMA RADIO DEBATE

    A partir de 4 de agosto estarei encerrando as férias do Rádio e estarei de volta ao ar. Não será na Rádio Pioneira AM 830, onde estive por seis anos e sim na Rádio Regional AM 1320, onde apresentei o “Rádio Debate” por 9 anos. Portanto, dia 4 de agosto a partir das 8 horas da manhã estarei apresentando o programa Radio Debate juntamente com meu parceiro Danúsio Melo. Eu, Jacinto Pereira e Danúsio Melo já estamos juntos a 7 anos. Por sinal, Danúsio se integrou à equipe do Rádio Debate ainda quando apresentávamos o programa na Rádio Regional.

    Estarei aberto para contrato com novos anunciantes pelo celular (88) 99210172 e pelo E-mail: radiodebate@yahoo.com.br

    MP define pelo arquivamento de processo da coligação de Camilo contra Eunício

     

    REDAÇÃO
    jornalismo@cearanews7.com.br

    O Ministério Público Federal, através do Procurador Regional Eleitoral, Rômulo Conrado, opinou pela imprudência e arquivamento do processo de impugnação da coligação "Para o Ceará Seguir Mudando". do candidato ao Governo do Estado, Camilo Santana, contra as candidaturas da coligação "Ceará de Todos", do candidato Eunício Oliveira.
    "Ante o exposto, requer o Ministério Público Eleitoral seja julgada improcedente a impugnação formulada aos presentes autos, para que seja deferido o registro do Demonstrativo de Regularidade dos Atos Partidários da Coligação "Ceará de Todos", relativamente aos cargos majoritários", assina o procurador Rômulo Conrado.

    www.cearanews7.com.br

    domingo, 20 de julho de 2014

    "A Praça é Nossa"

    PRAÇAS PÚBLICAS DE SOBRAL SERÃO REFORMADAS EM UM INVESTIMENTO DE R$ 4 MILHÕES DE REAIS

    Fonte: Blog da Prefeitura de Sobral

    O Governo do Estado do Ceará concluiu os processos licitatórios para as obras de requalificação de 3 praças de Sobral: Praça do Patrocínio, Praça Duque de Caxias (Bosque) e Praça Clodoveu Arruda (Pracinha do Amor). O investimento, assegurado pelo Prefeito Veveu junto à Secretaria das Cidades do Estado, é de cerca de R$ 4 milhões em recursos do Programa de Desenvolvimento Urbano de Pólos Regionais (Cidades do Ceará II).

    O Programa Cidades do Ceará II também prevê reforma da Praça da Várzea e readequação dos passeios e da pavimentação do Sítio Histórico, no Centro de Sobral. “Sobral vive um momento ímpar, que o diferencia dos outros municípios, em realizações que têm mudado a realidade de nossa população. O objetivo desta gestão é dar mais qualidade de vida em todas as áreas, às pessoas que aqui vivem. O Cidades do Ceará II é fruto da parceria com o Governador Cid Gomes, que tem nos garantido um diálogo aberto e afinado com as necessidades do nosso Município. Todas essas obras são resultado do esforço contínuo por melhorias”, afirma o Prefeito Veveu.

    Acesse nosso site: www.politicaemevidencia.com.br

    por marcelo marques