quinta-feira, 26 de maio de 2016

DEUTSCHE WELLE: CRISE DE TEMER PODE TRAZER DILMA DE VOLTA AO PODER

: A Deutsche Welle registra que a crise do governo Temer, que “busca urgentemente um salvador”, é tão grande que pode acontecer o que antes era impensável: a volta de Dilma Rousseff ao Palácio do Planalto; a reportagem destaca que “um em cada dois membros do Congresso está envolvido no escândalo de corrupção da Petrobras, assim como o vice-presidente Michel Temer é suspeito de ter recebido subornos”; o serviço em português da agência alemã Deutsche Welle traz uma análise sobre o que o que muda na política externa brasileira para os países vizinhos; segundo o texto, o Itamaraty comandado por José Serra deve reforçar parcerias com Argentina e México e flexibilizar Mercosul; também relata que a relação com “países bolivarianos” será menos estreita e mais pragmática
26 DE MAIO DE 2016 ÀS 09:48
247 - A Deutsche Welle, serviço de comunicação pública da Alemanha, aponta uma crise tão profunda no governo interino de Michel Temer (PMDB) que pode gerar até o que era "impensável" no início desta semana: o retorno da presidente Dilma Rousseff. A reportagem questiona até por quanto tempo Temer conseguirá se manter no posto de presidente. "Apenas 12 dias após o impeachment de presidente Dilma Rousseff, o governo do presidente interino Michel Temer está sendo abalado por seu primeiro escândalo", diz o texto ao se referir à divulgação dos áudios das conversas entre o senador Romero Jucá e o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado.
A matéria ainda destaca que um em cada dois membros do Congresso estão envolvidos no escândalo de corrupção na Petrobras, inclusive vários ministros de Temer e o próprio presidente interino. A DW também traz a análise do cientista político Valeriano Costa, da Unicamp, que vê a possibilidade de Dilma retornar ao cargo, com o ex-presidente Lula ocupando papel fundamental, que inclua "um acordo com a elite política" para garantir que país seja governado até as eleições de 2018.
Já o canal da agência com texto em português apresenta uma avaliação sobre o que o que muda na política externa brasileira para os países vizinhos. Segundo o texto, o Itamaraty comandado por José Serra deve reforçar parcerias com Argentina e México e flexibilizar Mercosul. Ele também relata que a relação com “países bolivarianos” será menos estreita e mais pragmática (leia aqui).
Abaixo o texto original sobre a crise política:
Government crisis in Brazil urgently seeking savior
Just 12 days after Brazilian President Dilma Rousseff's impeachment, the government of interim president Michel Temer is being rocked by its first scandal. What seemed totally unthinkable just a few days ago no longer seems impossible: Rousseff's return to the presidential palace.
"If Dilma returns and former President Luiz Inacio Lula da Silva (pictured above) takes on a strategic function in the cabinet - short term, that's the only possible solution," according to Valeriano Costa, a Brazilian political scientist and director of the Center for Political Opinion Research at Unicamp University. "Lula may just manage to work out a deal with the political elite that includes the left party spectrum and guarantees the country can be governed until the 2018 elections."
Costa realizes that this scenario was completely unthinkable at the start of the week. But the political situation has changed since Planning Minister Romero Juca stepped down. The two-thirds majority necessary in the Brazilian Senate to confirm President Rousseff's impeachment is shaky. It would fall through if two senators were to change their minds.
Investigation? No, thanks!
Romero Juca stepped down temporarily on Tuesday. The reason: the release in the Brazilian daily Folha de Sao Paulo" of a secretly taped telephone conversation in which Juca says Rousseff's impeachment is necessary to protect Brazilian politicians from further anti-corruption investigations. Brazil's state prosecutor is also investigating Juca for corruption.
The release of the taped conversation shook Brazil. "It shows that Dilma's impeachment had nothing to do with the fight against corruption," historian and lawmaker Marcelo Freixo commented in his column in "Folha de São Paulo", adding that if it's confirmed, "snap elections and mobilizing society to go along with a comprehensive reform agenda are the only way out."
A snap election is not very likely, Costa says. To make that happen, both Rousseff and her deputy Michel Temer would have to step down or be convicted of a crime, he adds. But even then, elections would hardly be able to change the country's political chaos.
Reforms? No, thanks!
"The same people who voted for the left politicians Lula da Sliva Rousseff in the presidential polls, voted conservative politicians Michel Temer and Eduardo Cunha into parliament," Costa says. Congress has always been conservative, he says, adding that snap elections won't change that fact.
"Brazil has become more modern, the economy has improved, so much has improved - but the old political system hasn't changed, it's just like it was in 1930, and that's the big problem," the political scientist says. Perhaps now, the time has come for change, he adds.
No one can say what will happen next. There are indications that the government crisis in Brazil will get worse, as more leaks of compromising telephone conversations have been announced for the next few days, including tapes of ex-President Jose Sarney and Renan Calheiros, the President of the Senate.
Criticism? No thanks!
About one out of two members of Congress are involved in the Petrobas corruption scandal, according to media reports. Several cabinet ministers as well as Vice-President Michel Temer are suspected of having pocketed bribes. Numerous senior politicians have been sentenced to prison in the wake of "Operation Car Wash" - that's what Brazilians call the investigation into the scandal involving the state-controlled oil company.
Temer, meanwhile, dismisses the notion of a government crisis. In Congress on Tuesday, he defended himself against accusations of weakness. "Nothing but talk! Back when I was Minister for Public Security in the state of Sao Paulo - twice - , I struggled with criminals," he said and pounded a fist on the table. "I know what needs to be done."
http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/234534/Deutsche-Welle-crise-de-Temer-pode-trazer-Dilma-de-volta-ao-poder.htm

WAGNER: O PAÍS QUER SABER DO QUE AÉCIO TEM MEDO

: Diante das referências ao senador Aécio Neves, presidente nacional do PSDB, nas conversas entre o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, e os senadores Romero Jucá e Renan Calheiros, o ex-ministro Jaques Wagner (PT) cobrou respostas sobre o caso; "É a segunda vez apenas nesta semana que o nome de Aécio Neves surge em circunstâncias no mínimo suspeitas. O candidato derrotado procurou Renan para saber se haveria alguma coisa a mais contra ele na Lava Jato. Segundo Renan, o tucano estaria com medo. O Brasil, então, quer saber: do que tem medo Aécio Neves? O país aguarda respostas", afirmou; nos áudios divulgados pela Folha, o presidente do Senado afirma que foi procurado pelo tucano para saber se havia "mais alguma coisa" sobre ele na delação de Delcídio Amaral; já Sérgio Machado afirmou que "Aécio será o primeiro a ser comido" pela Lava Jato; "Caiu a ficha", completou Jucá; o tucano permanece em silêncio
26 DE MAIO DE 2016 ÀS 11:54
247 - Diante das referências ao senador Aécio Neves, presidente nacional do PSDB, nas conversas entre o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, e os senadores Romero Jucá e Renan Calheiros, o ex-ministro Jaques Wagner (PT) cobrou respostas sobre o caso.
"É a segunda vez apenas nesta semana que o nome de Aécio Neves surge em circunstâncias no mínimo suspeitas. O candidato derrotado procurou Renan Calheiros para saber se haveria alguma coisa a mais contra ele na Lava Jato. Segundo Renan, o tucano estaria com medo. O Brasil, então, quer saber: do que tem medo Aécio Neves? O país aguarda respostas", afirmou.
No áudio divulgado ontem pela Folha, o presidente do Senado diz a Machado que foi procurado pelo tucano que queria saber mais informações sobre a delação do ex-senador Delcídio Amaral. "Aécio está com medo. [me procurou] 'Renan, queria que você visse para mim esse negócio do Delcídio, se tem mais alguma coisa'", contou o peemedebista.
Já na primeira conversa divulgada pela Folha, na qual Machado fala com Romero Jucá, o ex-presidente da Transpetro diz que "o primeiro a ser comido vai ser o Aécio" numa referência à operação Lava Jato. "O Aécio não tem condição, a gente sabe disso. Quem que não sabe? Quem não conhece o esquema do Aécio?", diz. "Caiu [a ficha]. Todos eles. Aloysio, Serra, Aécio", completou Jucá.
"Romero Jucá e Sérgio Machado sabem. Qual é o esquema em que senador Aécio, citado cinco vezes por delatores da Lava Jato, está envolvido? Agora o Brasil também quer e tem o direito de saber: O que foi feito para que Aécio Neves fosse eleito presidente da Câmara em 2001?", questionou Jaques Wagner anteontem.
Até o momento, Aécio não se pronunciou.
http://www.brasil247.com/pt/247/bahia247/234555/Wagner-o-pa%C3%ADs-quer-saber-do-que-A%C3%A9cio-tem-medo.htm

CRISTOVAM BUARQUE É RECEBIDO COM ESCRACHO EM FORTALEZA

: O senador Cristovam Buarque (PPS-DF) foi recebido nesta quinta (26) com um escracho organizado por um grupo de mulheres, representantes de diversos movimentos sociais, ao chegar no Hotel Praia Centro, em Fortaleza, para participar da conferência internacional "Saberes para uma Cidade Planetária"; Cristovam foi chamado de traidor e golpista pelas manifestantes; o parlamentar votou a favor do afastamento da presidente Dilma Rousseff
26 DE MAIO DE 2016 ÀS 11:58
Fortaleza 247 - O senador Cristovam Buarque foi recebido com um "escracho", nesta quinta-feira (26), pela manhã, ao chegar no Hotel Praia Centro, em Fortaleza, para participar da conferência internacional "Saberes para uma Cidade Planetária". Mulheres representantes de diversos movimentos sociais recepcionaram o senador no hall do hotel com cartazes, faixas e palavras de ordem em defesa da democracia e da presidenta Dilma Rousseff. Cristovam foi chamado de traidor e golpista pelas manifestantes.
Ex-militante de esquerda, Cristovam já foi filiado ao PT e ao PDT. Hoje integra o PPS, um dos partidos mais alinhados com a direita, presidido pelo ex-comunista Roberto Freire. No Senado, Cristovam votou pela abertura do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff e já foi alvo de escracho em outros ocasiões, inclusive em Brasília, onde foi feito também um ato "desvotação", quando foi instalada uma urna para que eleitores depositassem uma justificativa para desfazerem seus votos.
O senador ficará em Fortaleza até amanhã (27), quando deverá se reunir também com lideranças do PPS, seu partido, na Assembleia Legislativa e participará de um almoço com empresários cearenses do Centro Industrial do Ceará (CIC) e da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC).
http://www.brasil247.com/pt/247/ceara247/234550/Cristovam-Buarque-%C3%A9-recebido-com-escracho-em-Fortaleza.htm

Delação de Machado inclui informações sobre propina para políticos

Renata Mello / Transpetro: <p>Presidente da Transpetro, Sergio Machado, durante o discurso na cerimônia de lançamento do navio Oscar Niemeyer</p>
Além das gravações de conversas que teve com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), com o ex-presidente José Sarney (PMDB-AP) e com o ex-ministro do Planejamento Romero Jucá (PMDB-RR), Sérgio Machado teria entregue informações sobre a arrecadação de dinheiro de origem ilegal para políticos aliados
26 de Maio de 2016 às 08:17
247 - A delação do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado inclui, além das gravações de conversas que teve com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), com o ex-presidente José Sarney (PMDB-AP) e com o ex-ministro do Planejamento Romero Jucá (PMDB-RR), informações sobre a arrecadação de dinheiro de origem ilegal para políticos aliados.
Machado se manteve no cargo mesmo depois de ter sido acusado pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa de receber propina.
Segundo reportagem de Jailton de Carvalho, na série de depoimentos, Machado se dispôs a contar detalhes de todas as ilegalidades de que teve conhecimento, no período em que comandou a estatal sob a proteção de um grupo de políticos do Senado, entre eles alguns dos principais nomes do PMDB (leia aqui).
http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/234522/Delação-de-Machado-inclui-informações-sobre-propina-para-políticos.htm

Cunha Lima: Machado é bandido da mais alta periculosidade

:
Tucanos partiram para cima de Sérgio Machado após gravações do ex-presidente da Transpetro que falam em um suposto esquema de Aécio Neves para compra de votos na sua eleição à Presidência da Câmara; “Todo mundo conhece o esquema do Aécio”, disse ele a Romero Jucá; “eu fui do PSDB dez anos, Renan. Não sobra ninguém », declarou ainda ao presidente do Senado; no plenário do Senado, o líder tucano Cássio Cunha Lima atacou: “É um delator, cretino, bandido da mais alta periculosidade”; o partido anunciou que irá processar Machado
26 de Maio de 2016 às 06:30
247 - As citações de Sérgio Machado sobre o esquema de Aécio Neves para compra de votos na sua eleição à Presidência da Câmara deixaram tucanos irados: “Todo mundo conhece o esquema do Aécio”, disse o ex-presidente da Transpetro em gravação com Romero Jucá. “Eu fui do PSDB dez anos, Renan. Não sobra ninguém", declarou ainda ao presidente do Senado.
No plenário do Senado, o líder tucano Cássio Cunha Lima atacou: “É um delator, cretino, bandido da mais alta periculosidade”. O partido anunciou que irá processar Machado.
"Fica cada vez mais clara a tentativa deliberada e criminosa do senhor Sérgio Machado de envolver em suspeições o PSDB e o nome do senador Aécio Neves, em especial, sem apontar um único fato que as justifique", diz trecho da nota divulgada pelo PSDB. "As gravações se limitam a reproduzir comentários feitos pelo próprio autor, com o objetivo específico de serem gravados e divulgados", afirmam os tucanos.
http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/234513/Cunha-Lima-Machado-é-bandido-da-mais-alta-periculosidade.htm

Temer pode ter se encontrado com Machado nos últimos meses

: É o que admitem seus aliados; por isso, há receio, no Palácio do Planalto, que ele também venha a ser atingido por gravações clandestinas; assessores de Michel Temer relatam um clima de apreensão no governo e defendem que ele afaste em até 30 dias ministros citados na operação ou que respondam a acusações judiciais, como Henrique Eduardo Alves (Turismo), Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo)e Maurício Quintella (Transportes), na tentativa de conter debandadas na base aliada; jornais internacionais falam em ‘complô de bandidos’ contra uma presidente honesta
26 de Maio de 2016 às 06:24
247 – Aliados do presidente interino Michel Temer admitem que ele pode ter se encontrado com Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro responsável pelas gravações que derrubaram Romero Jucá do governo, nos últimos meses.
Por por isso, há receio, no Palácio do Planalto, que ele também venha a ser atingido por gravações clandestinas. Assessores de Temer relatam um clima de apreensão no governo e defendem que ele afaste em até 30 dias ministros citados na operação ou que respondam a acusações judiciais, como Henrique Eduardo Alves (Turismo), Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) e Maurício Quintella (Transportes), na tentativa de conter debandadas na base aliada.
Segundo reportagem de Valdo Cruz, nas palavras de um assessor presidencial, o que preocupa o governo interino é o "fator do imponderável" sobre novas denúncias e a possibilidade de novos áudios causarem debandadas na base aliada às vésperas de votações de medidas econômicas no Congresso.
Jornais internacionais falam em ‘complô de bandidos’ contra uma presidente honesta.
http://www.brasil247.com/pt/247/poder/234505/Temer-pode-ter-se-encontrado-com-Machado-nos-últimos-meses.htm

Sérgio Machado prova que "pecado de Dilma" foi não obstruir a Justiça

: Responsável pelas gravações de José Sarney, Romero Jucá e Renan Calheiros, o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, indica por que a presidente Dilma Rousseff foi alvo de um processo de impeachment; "tá todo mundo se cagando presidente", disse ele a Sarney; "o erro dela foi deixar essa coisa andar", afirmou, numa referência à Lava Jato; áudios captados por Machado já derrubaram Jucá, que afirmou que era preciso trocar o governo, colocando Michel Temer no poder, para “parar essa porra” e “estancar essa sangria”
26 de Maio de 2016 às 06:17
247 - O ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, responsável pelas gravações de José Sarney, Romero Jucá e Renan Calheiros, indica em conversa por que a presidente Dilma Rousseff foi alvo de um processo de impeachment:
"Tá todo mundo se cagando, presidente. Todo mundo se cagando. Então ou a gente age rápido. O erro da presidente foi deixar essa coisa andar. Essa coisa andou muito. Aí vai toda a classe política para o saco. Não pode ter eleição agora", disse ele a Serney, numa referência à Lava Jato.
Audios captados por Machado já derrubaram Jucá, que afirmou que era preciso trocar o governo, colocando Michel Temer no poder, para “parar essa porra” e “estancar essa sangria”.
http://www.brasil247.com/pt/247/poder/234511/Sérgio-Machado-prova-que-pecado-de-Dilma-foi-não-obstruir-a-Justiça.htm

terça-feira, 24 de maio de 2016

“Áudio de Jucá é a prova material do golpe”

: A afirmação é do secretário nacional de Finanças do PT, Márcio Macêdo; segundo o petista, “as pessoas estão indignadas com a orquestração entre Jucá, Michel Temer e Eduardo Cunha”; "O golpe foi feito de modo que cada um tinha o seu papel. Cunha comandando a noite de horrores que foi a admissão do impeachment na Câmara, Romero Jucá costurando o afastamento da presidente no Senado, e Michel Temer sendo o arquiteto do golpe”, disse
24 de Maio de 2016 às 19:57
Valter Lima, do Sergipe 247 - O secretário nacional de Finanças do PT, Márcio Macêdo, afirmou, nesta terça-feira (24), que a divulgação da gravação da conversa entre o senador Romero Jucá (PMDB) e o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, é a “prova material” de que o impeachment da presidente Dilma Rousseff foi um golpe. Na conversa, Jucá diz que com o impeachment, a operação Lava Jato seria barrada. Segundo o petista, “as pessoas estão indignadas com a orquestração entre Jucá, Michel Temer e Eduardo Cunha”.
“Se alguém tinha alguma dúvida do golpe está aí a prova material do crime: a gravação da conversa de Romero Jucá. Por menos do que foi dito por Jucá, Delcidio Amaral foi preso. Isso mostra que o golpe foi pensado, articulado e financiado pelo grande capital nacional e internacional. Foi feito de modo que cada um tinha o seu papel. Cunha comandando a noite de horrores que foi a admissão do impeachment na Câmara, Romero Jucá costurando o afastamento da presidente no Senado, e Michel Temer sendo o arquiteto do golpe”, afirmou Márcio Macêdo, em entrevista à rádio 103 FM, em Aracaju (SE).
O representante do PT defende que o Supremo Tribunal Federal “cumpra o seu papel” e atue contra o golpe. “Espero que o STF não se acovarde diante de tantas evidências e possa agir. O que vivemos no Brasil é um golpe de ódio de classes. Quando a Lava Jato estava só em direção ao PT, ninguém reclamava. Mas quando o PSDB, o PMDB e o PP perceberam que podia chegar neles, deram um golpe, para estrangular a democracia e barrar a operação”, ressaltou.
Para Márcio Macêdo, é possível que a presidente Dilma Rousseff “retorne ao cargo”. “Dilma é uma mulher muito corajosa, tem enfrentado este momento com serenidade e força.Gram É possível ela voltar ao cargo, uma vez que não tem prova contra ela, ela não cometeu crime, o povo está acordando. Dilma vai lutar até o ultimo dia, e espero que seja vitoriosa”, disse.
O secretário de Finanças pondera que são três os “pilares da resistência”: os movimentos sociais; o PT e os partidos aliados como o PC do B e o PDT e a militância; e o ex-presidente Lula. “Tem acontecido uma movimentação muito forte de resistência ao golpe e em defesa da democracia. Movimentos de todo o país estão se levantando contra um governo ilegítimo. Lula está muito focado na resistência. Ele tem sido um guerreiro em todo este processo. O povo na rua vai pressionar para restabelecer o Estado Democrático de Direito”, avaliou.
http://www.brasil247.com/pt/247/sergipe247/234227/“Áudio-de-Jucá-é-a-prova-material-do-golpe”.htm

Temer anuncia fim do fundo soberano e abertura do pré-sal

: Um dia depois de perder seu ministro do Planejamento, que revelou a conspiração por trás do afastamento da presidente Dilma Rousseff, o presidente interino Michel Temer anunciou uma série de medidas para conter os gastos públicos e tentar equilibrar as contas do governo; entre elas estão a extinção do Fundo Soberano, criado há oito anos e com caixa de R$ 2 bilhões; "É uma coisa paralisada [recursos do fundo soberano]. Vamos trazer esses R$ 2 bilhões para cobrir o endividamento do país", disse Temer; ao anunciar seu apoio à abertura do pré-sal, ele afirmou que sofrerá críticas e disse estar pronto para ser presidente, porque já foi secretário de Segurança Pública de São Paulo, onde soube "lidar com bandidos"
24 de Maio de 2016 às 11:32
247 - Em pronunciamento à imprensa nesta terça-feira, 24, o presidente interino Michel Temer anunciou medidas para conter os gastos públicos e tentar equilibrar as contas do governo.
Entre as medidas anunciadas estão a extinção do Fundo Soberano, criado em 2008 com a sobra do superávit primário que existia naquele momento e com roalties do petróleo. "É uma coisa paralisada [recursos do fundo soberano]. Vamos talvez extinguir o fundo soberano e trazer esses R$ 2 bilhões para cobrir o endividamento do país", disse Temer.
O presidente interino também anunciou que irá agilizar a abertura da exploração do pré-sal para empresas estrangeiras. "Vamos apoiar esse projeto sem nos incomodar com críticas que virão", disse Temer. O presidente interino também se comparou com o ex-presidente Juscelino Kubitschek, ao dzier que não tem compromisso com o erro, e que pode voltar atrás em decisões.
R$ 100 bilhões do BNDES
Outra proposta anunciada pelo presidente em exercício foi o pedido de devolução, pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes), de pelo menos R$ 100 bilhões em recursos repassados pelo Tesouro Nacional nos últimos anos que, no total, somam mais de R$ 500 bilhões. Segundo Temer, a ideia é que sejam devolvidos ao Tesouro Nacional R$ 40 bilhões neste momento, e o restante no futuro.
Teto de gastos públicos
Outra medida anunciada pelo presidente em exercício, Michel Temer, é a proposta de adoção de um teto para os gastos públicos, proposta semelhante à que foi feita pela equipe econômica da presidente afastada Dilma Rousseff no que ficou conhecida como "reforma fiscal".
"Estamos propondo limite [do crescimento do gasto público] equivalente à inflação do ano anterior. Isso tudo parece ser a melhor forma de conciliar meta para o crescimento da despesa primaria e permitir que o Congresso continue com liberdade absoluta para definir a composição do crescimento do gasto publico", completou.
http://www.brasil247.com/pt/247/poder/234100/Temer-anuncia-fim-do-fundo-soberano-e-abertura-do-pré-sal.htm

Iuran Souza: Obrigado Jucá

FOTOS: Reprodução: O colunista do Favela 247 Iuran Souza, 21, morador do Guarapiranga, zona sul de São Paulo, agradece ao ex-ministro e senador Romero Jucá (PMDB-RR) por explicar a todos que esse impeachment é golpe: "Sabem quantas vezes eu tive que desmentir o Jornal Nacional no sofá de casa pra minha família e para meus amigos? Cerca de 6 mil vezes! Minha mãe, num legitimo ato de 'instinto materno' cogitava me internar: 'Depois da faculdade esse menino só fala de política, deve estar doente!”. Iuran conclui "A história mostrou dois lados, e como num ato de misericórdia da a chance aos que se enganaram de pular pro lado certo, o da democracia. E se ainda encontrarem quem “defende o indefensável” novo governo, não se estresse mais, ofereça seu riso. Adulto birrento não tem cura e nem juízo!"
24 de Maio de 2016 às 19:27
Por *Iuran Souza, para o Favela 247
Obrigado Jucá
Nós brigamos, ofendemos a mãe de amigos e parentes, saímos às ruas umas mil vezes durante esse processo de impeachment, lemos a constituição caçando as tais pedaladas, fizemos “textões” no Facebook pra convencer o “centrão” da internet, caímos de cara nos livros pra tentar entender como se da um golpe tão oportunista quanto esse... A gente fez de tudo Jucá, você não tem noção!
Sabem quantas vezes eu tive que desmentir o Jornal Nacional no sofá de casa pra minha família e para meus amigos? Cerca de 6 mil vezes! Minha mãe, num legitimo ato de “instinto materno” cogitava me internar: “Depois da faculdade esse menino só fala de política, deve estar doente!”, nem tiro a razão dela...
Devo confessar, pensei em desistir diversas vezes! Aposto que não fui o único, a cada reunião de amigos o desanimo sobre o assunto política estampava a nossa testa. Quando a palavra “golpe” mesmo em tom de piada surgia na conversa, o sentimento de luto chegava e acabava com o clima, rir do fim da democracia não parecia certo.
Mas aprendemos muito nos últimos dias, muito mesmo! Desde lidar com “proto-fascistas” a confiar na ignorância da oposição. A gente tentou deslegitimar esse governo, antes mesmo dele existir, e com apenas duas semanas da posse você acabou com o nosso trabalho.
A história mostrou dois lados, e como num ato de misericórdia da a chance aos que se enganaram de pular pro lado certo, o da democracia. E se ainda encontrarem quem “defende o indefensável” novo governo, não se estresse mais, ofereça seu riso. Adulto birrento não tem cura e nem juízo!
*Iuran Souza, 21, morador do Guarapiranga, extremo sul de São Paulo, estudou em colégio público a vida toda e é licenciado em geografia pela faculdade Ítalo Brasileiro. Jura ter mil gols e acha um absurdo pagar 20 reais pra cortar o cabelo.
http://www.brasil247.com/pt/247/favela247/234170/Iuran-Souza-Obrigado-Jucá.htm